escrevo seu nome

por Diogo Nogue

As palavras morreram
sem dó nem compaixão
trancadas e asfixiadas
em meu coração

Foram alimentadas
com sonhos podres
e pão seco
e com a promessa…

de um doce beijo.

Que nunca veio.

As palavras suplicaram:
Deixe-me sair
para demonstrar o meu amor…
Juro escrever seu nome
Em um grão de flor,
Não me deixe aqui…

Escrevo seu nome num grão de amor.

Mas as palavras morrem
sem dó nem compaixão
trancadas e asfixiadas
em meu coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *